FREI FERNANDO, VIDA , FÉ E POESIA

A vida, como dom, é uma linda poesia divina, declamemo-la ao Senhor!

Meu Diário
24/03/2015 12h43
É PRECISO ESTÁ DE CORAÇÃO ABERTO...

É PRECISO ESTÁ DE CORAÇÃO ABERTO PARA RECONHECR E ACOLHER JESUS

São João Paulo II (1920-2005), papa - Encíclica «Dives in Misericordia» § 8

«Houve assim desacordo entre a multidão a respeito de Jesus»

No mistério pascal são superadas as barreiras do mal multiforme de que o homem se torna participante durante a sua existência terrena. Com efeito, a cruz de Cristo faz-nos compreender as mais profundas raízes do mal, que mergulham no pecado e na morte, e também ela se torna sinal escatológico. Somente na realização escatológica e na definitiva renovação do mundo o amor vencerá, em todos os eleitos, o mal, nas suas fontes mais profundas. […]

Na realização escatológica, a misericórdia revelar-se-á como amor, enquanto no tempo, na história humana, que é conjuntamente história de pecado e de morte, o amor deve revelar-se sobretudo como misericórdia e realizar-se também como tal. O programa messiânico de Cristo — programa de misericórdia — torna-se o programa do seu Povo, da Igreja. Ao centro deste programa está sempre a Cruz, porque nela a revelação do amor misericordioso atinge o ponto culminante. […]

Cristo, o Crucificado, é o Verbo que não passa (cf Mt 24,35). É o que está à porta e bate ao coração de cada homem (cf Ap 3,20), sem inflingir a sua liberdade, mas procurando fazer irromper dela o amor; amor que é não apenas um ato de união com o Filho do homem que sofre, mas também, de certo modo, uma forma de «misericórdia» de cada um de nós pelo Filho do Eterno Pai. De nenhuma outra maneira pode a dignidade do homem ser mais respeitada e engrandecida que em todo o programa messiânico de Cristo, em toda a revelação da misericórdia pela Cruz, já que o homem, se é objeto da misericórdia, é também, em certo sentido, aquele que ao mesmo tempo «exerce a misericórdia».

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 24/03/2015 às 12h43
 
10/03/2015 11h11
Ó DEUS, SOIS O AMPARO DOS QUE EM VÓS ESPERAM...

Ó DEUS, SOIS O AMPARO DOS QUE EM VÓS ESPERAM E, SEM VOSSO AUXÍLIO, NINGUÉM É FORTE, NINGUÉM É SANTO...

Santa Faustina Kowalska (1905-1938), religiosa

Diário, § 1570 (Fátima, 2003)

«Não devias também ter piedade do teu companheiro, como eu tive de ti?»

Ó Deus de grande misericórdia, bondade infinita, eis que hoje toda a humanidade clama do abismo da sua miséria à vossa misericórdia, à vossa compaixão, ó Deus! E clama com a sua poderosa voz da miséria! Ó Deus clemente, não rejeiteis a oração dos exilados desta terra! Ó Senhor, bondade incompreensível, que penetrais a nossa miséria e sabeis que, abandonados às nossas próprias forças, não podemos chegar a Vós – por isso vos imploramos: que nos antecipeis a vossa graça e continueis a aumentar a vossa misericórdia para conosco, a fim de que possamos fielmente cumprir a vossa santa vontade durante toda a vida e na hora da morte.

 

Que a omnipotência da vossa misericórdia nos proteja dos ataques dos inimigos da nossa salvação, para esperarmos confiadamente, como vossos filhos, a vossa última vinda, esse dia que só Vós conheceis. Também esperamos alcançar tudo o que Jesus nos prometeu, apesar de toda a nossa miséria, porque Jesus é a nossa esperança. E assim, por meio do coração misericordioso, como por uma porta aberta, passarmos ao céu.

Paz e Bem!

“Ó Deus, sois o amparo dos que em vós esperam e, sem vosso auxílio, ninguém é forte, ninguém é santo; redobrai de amor para conosco, para que, conduzidos por vós, usemos de tal modo os bens que passam, que possamos abraçar os que não passam. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!” (Missal Romano”.


Publicado por Frei Fernando Maria em 10/03/2015 às 11h11
 
28/02/2015 08h57
BUSCAI...

BUSCAI O SENHOR, JÁ QUE ELE SE DEIXA ENCONTRAR;

INVOCAI-O, JÁ QUE ESTÁ PERTO... (Is 55,6).

Homilia atribuída a São Macário (?-390), monge do Egito - Homilias espirituais n° 30, 3-4

«Pedi, procurai, batei»

Esforça-te por agradar ao Senhor, espera-O interiormente sem lassidão (afobação), procura-O por meio dos teus pensamentos, violenta a tua vontade e as tuas decisões, obriga-as a tender continuamente para Ele. E verás como Ele Se aproxima de ti e em ti estabelece a sua morada (cf. Jo 14,23). […] Lá está Ele, observando o teu raciocínio, os teus pensamentos, as tuas reflexões, analisando como O procuras, se é com toda a tua alma, se com moleza e negligência. E quando Ele vir que O procuras com ardor, manifestar-Se-á a ti e aparecer-te-á, virá em teu socorro, dar-te-á a vitória e livrar-te-á dos teus inimigos.

Com efeito, quando vir a maneira como O procuras, como colocas continuamente toda a tua esperança nele, instruir-te-á, ensinar-te-á a verdadeira oração, dar-te-á a caridade verdadeira que é Ele mesmo. Então, Ele tornar-Se-á tudo para ti: paraíso, árvore de vida, pérola preciosa, coroa, arquiteto, agricultor, um ser submetido ao sofrimento mas que não é atingido pelo sofrimento, homem, Deus, vinho, água viva, cordeiro, esposo, combatente, armadura, Cristo «tudo em todos» (1Cor 15,28).

Tal como uma criança não se pode alimentar a si própria nem cuidar de si mesma, e pode somente olhar para sua mãe, chorando, até que ela seja tocada pela compaixão e trate dela, assim as almas crentes esperam sempre em Cristo e atribuem-Lhe toda a justiça. Como o sarmento seca se for separado da vinha (cf Jo 15,6), assim acontece a quem quer ser justo sem Cristo. E tal como «quem não entra pela porta do redil das ovelhas, mas sobe por outro lado, é ladrão e salteador» (Jo 10,1), assim é quem quer ser justo sem Aquele que justifica.

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 28/02/2015 às 08h57
 
25/02/2015 08h51
O JUÍZO...

ASSUSTA-ME O LADO ESQUERDO DE DEUS...

São Gregório de Nazianzo (330-390), bispo, doutor da Igreja - Sermão 14, sobre o amor aos pobres, 27, 28, 39-40; PG 35, 891ss (cf bréviaire, trad. parcial)

«A Mim mesmo o fizestes»

Pensas que a caridade é facultativa? Que não se trata de uma lei, mas de um simples conselho? Bem gostaria que fosse assim. Mas assusta-me o lado esquerdo de Deus, esse lado para onde Ele mandou os cabritos, aos quais não censurou o fato de terem roubado, pilhado, cometido adultérios ou perpetrado outros delitos deste tipo, mas o fato de não terem honrado a Cristo na pessoa dos seus pobres.

Por isso, se nos julgais dignos de alguma atenção, servos de Cristo, seus irmãos e co-herdeiros, visitemos a Cristo, alimentemos a Cristo, tratemos as feridas de Cristo, honremos a Cristo, não só sentando-O à nossa mesa como Simão, não só ungindo-O com perfumes como Maria, não só dando-Lhe sepulcro como José de Arimateia, não só provendo o necessário para a sua sepultura como Nicodemos, não só, finalmente, oferecendo-Lhe ouro, incenso e mirra como os magos.

Mas, uma vez que o Senhor do universo prefere a misericórdia ao sacrifício (cf Mt 9,13), uma vez que a compaixão tem muito mais valor que a gordura de milhares de cordeiros, ofereçamos a misericórdia e a compaixão na pessoa dos pobres que hoje na terra são humilhados, de modo que, ao sairmos deste mundo, sejamos recebidos nas moradas eternas (cf Lc 16,9) pelo mesmo Cristo, Nosso Senhor, a quem seja dada glória pelos séculos dos séculos.

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 25/02/2015 às 08h51
 
20/02/2015 10h27
AS PRÁTICAS QUARESMAIS...

AS PRÁTICAS QUARESMAIS...

São Gregório Magno (c. 540-604), papa, doutor da Igreja - 6º sermão para a quaresma, 1-2; SC 49

«Então, hão de jejuar»

Amados meus, «a terra está cheia da sua bondade» (Sl 33,5) em todo o tempo. […] Contudo, o regresso aos dias mais particularmente marcados pelo mistério da redenção humana, os dias que precedem a festa da Páscoa, exorta-nos a prepararmo-nos para ela através duma purificação religiosa. […] A festa da Páscoa caracteriza-se por toda a Igreja se regozijar com o perdão dos pecados. Esse perdão não ocorre apenas para quem renasce pelo batismo, mas também para quem já faz parte da comunidade dos filhos adotivos de Deus.

É verdade que é, sobretudo, o banho do novo nascimento que gera homens novos (Tit 3,5); apesar disso, compete-nos a todos renovarmo-nos diariamente para combatermos a corrupção da nossa condição mortal e, nas etapas do progresso interior, não há ninguém que não deva tornar-se cada vez melhor; todos devem fazer um esforço para que, no dia da redenção, ninguém permaneça nos seus vícios passados.

O que cada cristão deve fazer sempre, meus amados, deve agora ser procurado com mais urgência e generosidade. Assim, cumpriremos o jejum de quarenta dias instituído pelos apóstolos, não só pela redução de alimentos, mas, sobretudo abstendo-nos de pecar. […] Nada nos aproveita mais do que juntar aos jejuns, razoáveis e santos, a prática da esmola; sob a designação de obras de misericórdia, ela abarca muitas ações bondosas, dignas de elogio, e é assim que as almas de todos os fiéis se podem unir num mesmo mérito, independentemente da desigualdade dos seus recursos.

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 20/02/2015 às 10h27



Página 10 de 184 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras