FREI FERNANDO, VIDA , FÉ E POESIA

A vida, como dom, é uma linda poesia divina, declamemo-la ao Senhor!

Meu Diário
15/11/2014 11h00
SENHOR, ENSINA-NOS A REZAR...

SENHOR, ENSINA-NOS A REZAR - CAMINHOS DA ORAÇÃO

São João Cassiano (c. 360-435), fundador de mosteiro em Marselha - Conferências, n°9; SC 34

«É preciso orar sempre sem desfalecer»

O objetivo último do monge e a perfeição do coração consistem numa perseverança ininterrupta na oração. Tanto quanto é dado à fragilidade humana, trata-se de um esforço em direção a uma absoluta tranquilidade da alma e a uma perfeita pureza de coração. É por esta razão que devemos afrontar os trabalhos corporais e procurar por todos os meios a verdadeira contrição do coração, com uma constância que não desfaleça.

Para ter o fervor e a pureza que deve ter, a oração exige uma fidelidade total no que diz respeito aos seguintes aspectos. Em primeiro lugar, uma libertação completa de todas as inquietações relacionadas com este mundo; não pode haver assunto algum ou qualquer interesse que não deva ser totalmente excluído. Do mesmo modo, renunciar à maledicência, à coscuvilhice (fofoca, intriga), à palavra vã e à zombaria. Acima de tudo, suprimir definitivamente as perturbações da cólera e da tristeza. Fazer morrer em si todo o desejo carnal e o apego ao dinheiro. […]

Após esta purificação, que assegura a pureza e a simplicidade, há que lançar o fundamento inquebrantável de uma humildade profunda, capaz de sustentar a torre espiritual que se pretende que chegue ao céu. Por fim, para que sobre ela repouse o edifício espiritual das virtudes, é preciso proibir à alma toda a dispersão em divagações e pensamentos fúteis. Então, um coração purificado e livre começa pouco a pouco a elevar-se até à contemplação de Deus e à intuição das realidades espirituais.

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 15/11/2014 às 11h00
 
14/11/2014 09h16
"SOMOS O QUE SOMOS AOS OLHOS DE DEUS E NADA MAIS"

“AQUELE QUE ESTÁ CINGIDO PELA TEMPERANÇA VIVE NA LUZ DE UMA CONSCIÊNCIA PURA...”

São Gregório de Nissa (c. 335-395), monge, bispo

Sermões sobre o Cântico dos Cânticos, n°11, 1

«Comiam, bebiam, compravam, vendiam»

O Senhor fez muitas recomendações aos seus discípulos, para que o seu espírito sacudisse como poeira tudo o que é terreno por natureza e se elevasse ao desejo das realidades sobrenaturais. Isto porque, quando nos voltamos para a vida do céu, temos de ser mais fortes do que o sono e de manter sempre o espírito vigilante. […] Refiro-me à letargia daqueles que estão afundados na mentira de vida, por esses sonhos ilusórios que são as honras, as riquezas, o poder, a ostentação, o fascínio dos prazeres, a ambição, a sede da fruição, a vaidade, e tudo aquilo que os homens superficiais procuram loucamente, levados pela imaginação. Todas estas coisas desaparecem com a natureza efémera do tempo; elas pertencem ao campo do parecer […]; mal parecem existir, logo desaparecem como as ondas no mar. […]

É para que o nosso espírito se liberte destas ilusões que o Verbo, a Palavra de Deus, nos convida a sacudir dos olhos da alma este sono profundo, para que não nos afastemos das verdadeiras realidades, apegando-nos ao que não tem consistência. É por isso que Ele nos propõe a vigilância, ao dizer-nos: «Estejam cingidos os vossos rins e acesas as vossas lâmpadas» (Lc 12,35). Porque, ao brilhar diante dos olhos, a luz espanta o sono, e os rins cingidos com o cinto impedem que o corpo sucumba. […] Aquele que está cingido pela temperança vive na luz de uma consciência pura; a confiança filial ilumina a sua vida como uma lâmpada. […] Se vivermos assim, entraremos numa vida semelhante à dos anjos.

Paz e Bem!

***

“E tudo o que se manifesta deste modo torna-se luz. Por isto (a Escritura) diz: Desperta, tu que dormes! Levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará (Is 26,19; 60,1)!” (Ef 5,14).

***


Publicado por Frei Fernando Maria em 14/11/2014 às 09h16
 
13/11/2014 09h43
"AQUELE QUE É FIEL NAS PEQUENAS COISAS, TAMBÉM SERÁ FIEL NAS GRANDES"

“AQUELE É FIEL NAS PEQUENAS COISAS, TAMBÉM SERÁ FIEL NAS GRANDES”.

Isaac o Sírio (século VII), monge perto de Mossul

Discursos, 1ª série, n°30

«O Reino de Deus está entre vós e dentro de vós»

A ação de graças, a gratidão daquele que recebe incita aquele que dá a dar sempre mais. Mas aquele que não dá graças pelas coisas mais pequenas só pode ser mentiroso e injusto no caso das grandes. Aquele que está doente e conhece a sua doença pode pedir a cura; aquele que reconhece o seu sofrimento está perto da sua cura e encontrá-la-á facilmente. […]

Lembra-te da queda daqueles que pensavam ser fortes e sê humilde nas tuas virtudes. […] Afasta-te de ti mesmo e o teu inimigo será afastado para longe de ti. Tranquiliza-te e o céu e a terra encher-te-ão de paz. Esforça-te por entrar no tesouro do teu coração e verás o tesouro do céu. Porque um e outro são o mesmo. Entrando num, contemplas os dois. A escada deste Reino está em ti, escondida na tua alma. Mergulha em ti mesmo para descobrires o teu pecado: aí encontrarás os degraus pelos quais poderás elevar-te […]: «O Reino dos céus está dentro de vós.»

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 13/11/2014 às 09h43
 
07/11/2014 08h02
IDE PELO MUNDO E PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA...

IDE PELO MUNDO E PREGAI O EVANGELHO À TODA CRIATURA...

São Francisco Xavier (1506-1552), missionário jesuíta

Carta de 15/01/1544

Viver gerindo bem os dons de Deus

Dessas regiões [Índia e Sri Lanka] só consigo escrever o seguinte: são tão grandes as consolações comunicadas por Deus nosso Senhor àqueles que vão para o meio dos pagãos para os converter à fé de Cristo que, se há alguma alegria nesta vida, é essa mesmo. Muitas vezes acontece-me ouvir a alguém que vai para o meio desses cristãos: «Senhor, não me deis tantas consolações nesta vida! Mas, uma vez que na vossa bondade e misericórdia infinitas Vós mas dais, levai-me para a vossa santa glória! Na verdade, custa tanto viver sem Vos ver, depois de Vos terdes mostrado desse modo à vossa criatura.»

Ah, se aqueles que buscam o saber nos estudos se dessem ao mesmo trabalho na busca das consolações do apostolado! Se as alegrias que procura um estudante naquilo que aprende, as procurasse fazendo sentir ao seu próximo aquilo de que precisa para conhecer e servir Deus, quão mais consolado e mais bem preparado estaria para prestar contas de si próprio, quando Cristo vier e lhe pedir: «Presta-me contas da tua gestão.» […]

Termino pedindo a Deus nosso Senhor […] que nos reúna na sua santa glória. E, para obter essa benfeitoria, tomemos como intercessoras e advogadas todas as almas santas das regiões onde me encontro. […] A todas essas santas almas, peço que nos obtenham de Deus nosso Senhor que, durante o tempo que resta desta separação, nos dê a graça de sentir no fundo da alma a sua santíssima vontade e de a realizar perfeitamente.

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 07/11/2014 às 08h02
 
05/11/2014 08h40
RENUNCIAR A SI MESMO, REQUER ADESÃO TOTAL AO SENHOR

RENUNCIAR A SI MESMO, REQUER ADESÃO TOTAL AO SENHOR

Santa Teresinha do Menino Jesus (1873-1897), carmelita, doutora da Igreja - Carta 197 de 1896/09/17

«Qualquer de vós, que não renunciar a tudo o que possui, não pode ser meu discípulo»

Minha querida irmã, como pode perguntar-me se lhe é possível amar o Bom Deus como eu o amo? […] Os meus desejos de martírio nada são, não são eles que me dão a confiança ilimitada que sinto em meu coração. Na verdade, as riquezas espirituais tornam-nos injustos, quando repousamos nelas com complacência e acreditamos que são algo grande. […] Eu sinto que […] o que agrada ao Bom Deus na minha alminha é Ele ver que amo a minha pequenez e a minha pobreza, é a esperança cega que tenho na sua misericórdia. Esse é o meu único tesouro. […]

Ó minha querida irmã […], perceba que, para amar Jesus, […] quanto mais fraco se é, sem desejos, nem virtudes, mais se está preparado para as operações deste Amor consumidor e transformador. O simples desejo de ser vítima já é suficiente, mas é preciso o consentimento para permanecer pobre e sem poder, e isso é difícil porque «onde encontrar o verdadeiro pobre em espírito? Devemos procurá-lo longe», disse o salmista. Ele não diz que se deve procurar entre as grandes almas, mas «longe», quer dizer, na baixeza, no nada.

Permaneçamos, portanto, longe de tudo o que brilha, amemos a nossa pequenez, amemos não sentir nada, e então seremos pobres em espírito e Jesus virá procurar-nos; por mais longe que estejamos, Ele nos transformará em labaredas de amor. Oh, como gostaria de poder fazer-lhe entender o que sinto! Só a confiança, e nada mais que a confiança, deve levar-nos ao Amor. O medo não leva à Justiça? (À justiça severa como a que se apresenta aos pecadores, mas não a esta justiça que Jesus terá para aqueles que O amam.) Uma vez que vemos o caminho, caminhemos juntas. Sim, eu sinto-o, Jesus quer dar-nos as mesmas graças, quer dar-nos gratuitamente o seu Céu.

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 05/11/2014 às 08h40



Página 16 de 187 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras