FREI FERNANDO, VIDA , FÉ E POESIA

A vida, como dom, é uma linda poesia divina, declamemo-la ao Senhor!

Meu Diário
15/12/2013 08h19
AS PROMESSAS DO SENHOR SE CUMPRIRÃO TOTALMENTE NO TEMPO DETERMINADO PELO SENHOR...

AS PROMESSAS DO SENHOR SE CUMPRIRÃO TOTLAMENTE NO TEMPO DETERMINADO PELO SENHOR...

Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (Norte de África), doutor da Igreja - Discursos dobre os salmos, Sl 109

«Porque todos os Profetas e a Lei anunciaram isto até João» (Mt 11,13).

Deus fixou um tempo para as suas promessas e um tempo para realizar aquilo que tinha prometido. O tempo das promessas foi o tempo dos profetas, até João Baptista; a partir dele e até ao fim, é o tempo de concretizar o que tinha sido prometido. Deus é fiel: Ele fez-Se nosso devedor, não para receber de nós fosse o que fosse, mas por nos ter prometido grandes coisas. E prometer foi pouco: quis comprometer-Se por escrito, fazendo conosco um contrato através das suas promessas; assim, quando começar a cumprir as suas promessas, poderemos ponderar na Escritura a ordem pela qual se deve realizar o que Ele tinha prometido. É por isso que o tempo da profecia, como dissemos tantas vezes, foi a predição das promessas.

Prometeu-nos a salvação eterna, uma vida feliz sem fim na companhia dos anjos e uma herança incorruptível (cf 1Ped 1,4), a glória eterna, a doçura do seu rosto, a morada da sua santidade nos céus e, pela ressurreição dos mortos, deixarmos de ter medo de morrer. Tal é a sua promessa, o objetivo para o qual se dirige todo o nosso esforço e, quando lá chegarmos, já não teremos de procurar nem de exigir mais nada.

E o plano segundo o qual chegaremos a esse objetivo final foi-nos mostrado por Ele, pelas suas promessas e anúncios. Com efeito, prometeu aos homens a divindade, aos mortais a imortalidade, aos pecadores a justificação, aos humilhados a glorificação.

Paz e Bem!

©Evangelizo.org 2001-2013


Publicado por Frei Fernando Maria em 15/12/2013 às 08h19
 
13/12/2013 13h02
A SABEDORIA DE DEUS!

QUÃO BRILHANTE É TUA VOZ!

Santa Gertrudes de Helfta (1256-1301), monja beneditina

Exercícios, n°8 Sexta; SC 127

 

«É por Ele que vós estais em Cristo Jesus, que Se tornou para nós sabedoria que vem de Deus, justiça, santificação e redenção» (1Cor 1,30)

Ó Sabedoria admirável de Deus, quão poderosa, quão brilhante é a tua voz! Chamas a Ti sem exceção todos os que Te desejam; fazes dos humildes a tua morada; confortas os que Te confortam (Pr 8,17); julgas a causa do pobre; com bondade, de todos tens piedade. «Não detestas nada do que fizeste»; «desvias os olhos dos pecados dos homens» e misericordiosamente esperas que venham penitenciar-se (cf. Sab 11,23-24). […] Tu que renovas todas as coisas, com a tua graça renova-me e santifica-me em Ti, para que possas estabelecer-Te na minha alma […]. Faz que, desde a manhã, eu vele por Ti, para Te encontrar em verdade (cf. Is 26,9; Sab 6,12-14); manifesta-Te, pois diante de mim, para que em verdade eu Te deseje com ardor.

Com que prudência ages em teus desígnios! Com que providência dispões de tudo, quando, para salvar o homem, inspiraste ao Rei de glória (cf. Sl 23,8; 1Cor 2,8) […] o pensamento da paz, o cumprimento da caridade: escondendo a sua majestade, impuseste a seus ombros o momento favorável do amor, para que subindo ao madeiro, Ele levasse os nossos pecados (cf. 1Ped 2,24). Oh, sim, Sabedoria brilhante de Deus, a malícia do diabo não pode travar nenhuma das tuas obras magníficas […]; a amplidão do mal que fizemos não conseguiu prevalecer contra a multidão das tuas misericórdias, contra a imensidão do teu amor, contra a plenitude da tua bondade. Mais ainda, o teu zelo soberano ultrapassou todos os obstáculos, tudo governando com bondade, chegando «com vigor de uma extremidade à outra» do mundo (Sab 8,1).

Paz e Bem!

©Evangelizo.org 2001-2013

 


Publicado por Frei Fernando Maria em 13/12/2013 às 13h02
 
25/11/2013 17h43
O REINO DE DEUS E A SUA JUSTIÇA...

O REINO DE DEUS E A SUA JUSTIÇA...

Do Opúsculo sobre a oração, de Orígenes, presbítero

(Cap. 25: PG 11, 495-499) (Séc. III)

Venha a nós o vosso Reino

O Reino de Deus, conforme as palavras de nosso Senhor e Salvador, não vem visivelmente, nem se dirá: Ei-lo aqui ou ei-lo ali; mas o reino de Deus está dentro de nós (cf. Lc 16,21), pois a palavra está muito próxima de nossa boca e em nosso coração (cf. Rm 10,8). Donde se segue, sem dúvida nenhuma, que quem reza pedindo a vinda do reino de Deus pede - justamente por ter em si um início deste reino - que ele desponte, dê frutos e chegue à perfeição. Pois Deus reina em todo o santo e quem é santo obedece às leis espirituais de Deus, que nele habita como em cidade bem administrada. Nele está presente o  Pai e, junto com o Pai reina Cristo na pessoa perfeita, segundo as palavras: Viremos a ele e nele faremos nossa morada  (cf. Jo 14,23).

Então o reino de Deus, que já está em nós, chegará por nosso contínuo adiantamento à plenitude, quando se completar o que foi dito pelo Apóstolo: sujeitados todos os inimigos, Cristo entregará o reino a Deus e Pai, a fim de que Deus seja tudo em todos(cf. 1 Cor 15,24.28). Por isto, rezemos sem cessar, com aquele amor que pelo Verbo se faz divino; e digamos a nosso Pai que está nos Céus: Santificado seja teu nome, venha o teu reino (Mt 6,9-10). É de se notar também a respeito do reino de Deus: da mesma forma que não há participação da justiça com a iniquidade nem sociedade da luz com as trevas nem pacto de Cristo com Belial. (cf. 2 Cor 6,14-15), assim o reino de Deus não pode subsistir junto com o reino do pecado.

Por conseguinte, se queremos que Deus reine em nós, de modo algum reine o pecado em nosso corpo mortal (Rm 6,12), mas mortificaremos nossos membros que estão na terra (cf. C1 3,5) e produzamos fruto no Espírito. Passeie, então, Deus em nós como em paraíso espiritual, e reine só ele, junto com seu Cristo; e que em nós se assente à destra de sua virtude espiritual, objeto de nosso desejo. Se assente até que seus inimigos todos que existem em nós sejam reduzidos a escabelo de seus pés (S1 98,5), lançados fora todo principado, potestade e virtude.

Tudo isto pode acontecer a cada um de nós e ser destruída a última inimiga, a morte (1 Cor 15,26). E Cristo diga também dentro de nós: Onde está, ó morte, teu aguilhão? Onde está, inferno, tua vitória? (1 Cor 15,55;cf. Os 13,14). Já agora, portanto, o corruptível em nós se revista de santidade e de incorruptibilidade, destruída a morte, vista a imortalidade paterna (cf. 1 Cor 15,54), para que, reinando Deus, vivamos dos bens do novo nascimento e da ressurreição.

Paz e Bem!


Publicado por Frei Fernando Maria em 25/11/2013 às 17h43
 
23/11/2013 11h44
NINGUÉM É ANÔNIMO, TODOS SOMOS IGUAIS...

NINGUÉM É ANÔNIMO, TODOS SOMOS IGUAIS...

Papa Francisco

Audiência geral de 26/06/2013 (trad. © copyright Libreria Editrice Vaticana rev.)

Todo o povo, ao ouvi-Lo, ficava suspenso por suas palavras...

Hoje, gostaria de fazer uma breve referência a mais uma imagem que nos ajuda a explicar o mistério da Igreja: a do templo («Lumen gentium», 6). […] Em Jerusalém, o grande Templo de Salomão era o lugar do encontro com Deus na oração; no interior do Templo encontrava-se a Arca da Aliança, […] uma referência ao fato de que Deus sempre esteve no seio da história do seu povo; […] também nós devemos recordar esta história, cada qual a sua própria história: como Jesus veio ao meu encontro, como Jesus caminhou comigo, como Jesus me ama e me abençoa...

Eis que quanto tinha sido prenunciado no antigo Templo é realizado, pelo poder do Espírito Santo, na Igreja: a Igreja é a «casa de Deus», o lugar da sua presença, onde podemos encontrar o Senhor; a Igreja é o Templo onde habita o Espírito Santo que a anima, orienta e sustém. Se nos perguntarmos: onde podemos encontrar Deus? Onde podemos entrar em comunhão com Ele, através de Cristo? Onde podemos encontrar a luz do Espírito Santo que ilumina a nossa vida? A resposta é: no Povo de Deus, no meio de nós, que somos Igreja. […]

E é o Espírito Santo, com os seus dons, que define a variedade. Isto é importante: o que faz o Espírito Santo no meio de nós? Define a variedade, que é a riqueza da Igreja, e une tudo e todos, de maneira a constituir um templo espiritual, no qual não oferecemos sacrifícios materiais, mas nós mesmos, a nossa vida (cf 1Ped 2,4-5). A Igreja não é um enredo de coisas e de interesses, mas o Templo do Espírito Santo, o Templo onde Deus age, o Templo onde cada um de nós, com o dom do Batismo, é uma pedra viva. […] Todos somos necessários para construir este Templo! Ninguém é secundário! Ninguém é o mais importante na Igreja, pois aos olhos de Deus todos somos iguais. Um de vós poderia dizer: «Ouça, Senhor Papa, Vossa Santidade não é igual a nós!». Sim, sou como cada um de vós, todos nós somos iguais, somos irmãos! Ninguém é anónimo.

Paz e Bem!

©Evangelizo.org 2001-2013

 


Publicado por Frei Fernando Maria em 23/11/2013 às 11h44
 
19/11/2013 08h24
SUBI A ESSA SANTA ÁRVORE ONDE SE ENCONTRAM OS FRUTOS MADUROS DE TODAS AS VIRTUDES...

Subi a essa santa árvore onde se encontram os frutos maduros de todas as virtudes...

Santa Catarina de Sena (1347-1380), terceira dominicana, doutora da Igreja, co-padroeira da Europa - Carta 119, ao prior dos religiosos oliventinos

«Procurava ver Jesus»

Escrevo-vos com o desejo de que sejais um bom e corajoso pastor, que apazigue e governe com zelo perfeito as ovelhas que vos foram confiadas, imitando assim o doce Mestre da verdade, que deu a sua vida por nós, ovelhas transviadas, que estávamos longe do caminho da graça. É verdade […] que não o podemos fazer sem Deus e que não podemos possuir Deus permanecendo na terra. Mas eis um doce remédio: quando o coração é pequeno e humilde, é preciso agir como Zaqueu, que não era grande e subiu a uma árvore para ver Deus. O seu zelo fez com que merecesse escutar essa doce palavra: «Zaqueu, desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa.»

Devemos fazer assim quando somos baixos, quando temos o coração pequeno e pouca caridade: é preciso subir à árvore da mui santa cruz e de lá veremos e tocaremos Deus. Lá encontraremos o fogo da sua caridade inexprimível, o amor que O conduziu até à vergonha da cruz, que O exaltou e O fez desejar, com o ardor da fome e da sede, honrar seu Pai e obter a nossa salvação. […] Se assim quisermos, se a nossa negligência não levantar obstáculos, poderemos, subindo à árvore da cruz, realizar em nós essa palavra saída da boca da Verdade: «Quando Eu for elevado da terra atrairei todos a Mim» (cf Jo 12,32 Vulg). Com efeito, quando a alma se eleva deste modo, vê as benfeitorias da bondade e do poder do Pai […], vê a clemência e a abundância do Espírito Santo, esse amor inexprimível que prega Jesus ao madeiro da cruz. Nem os pregos nem cordas podiam prendê-Lo ali: somente a caridade. […] Subi a essa santa árvore onde se encontram os frutos maduros de todas as virtudes que o corpo do Filho de Deus nos traz; correi com ardor. Permanecei no santo e doce amor de Deus. Doce Jesus, Jesus amor.

Paz e Bem!

©Evangelizo.org 2001-2013


Publicado por Frei Fernando Maria em 19/11/2013 às 08h24



Página 21 de 184 « 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras